O sexteto

 

André Marques Sexteto pretende levar ao público paulista, o melhor da música instrumental brasileira.

O Brasil é o país mais rico do mundo, quando o assunto é música. Nenhum outro país tem uma variação tão grande de estilos musicais, herdados do folclore, que deixam sua cultura tão linda e ímpar.

Infelizmente, nos dias de hoje, a grande maioria da população não tem conhecimento disso. Ela tem sido cada vez mais massacrada por veículos de divulgação em massa, que só visam o lucro, trazendo uma pobreza muito grande e vergonhosa à nossa cultura musical. Isso sem falar na grande influência de outros países, principalmente dos EUA, trazendo uma descaracterização à nossa música.

André Marques vem desde o início de sua carreira profissional, em 1994, lutando com o objetivo principal de mostrar essa nossa música.

Através de trabalhos como Hermeto Pascoal e grupo, Trio Curupira e Vintena Brasileira, André fez uma grande pesquisa por todas as regiões do Brasil e começou a criar a sua música a partir dos ritmos brasileiros, assim divulgando-os.

Na sua música pode-se encontrar: catira, frevo, ciranda, toada, baião, jongo, chamamé, maracatu, maxixe, caboclinho, bumba-meu-boi, xaxado, samba, congada, reisado, guarânia, chacarera, entre outros. Com o sexteto, André pretende continuar com essa pesquisa o seu novo projeto solo, continuação de outros dois projetos, o de piano solo e o de quarteto.

Essa formação, já trabalhada por vários grupos, aqui é tratada de forma diferente. Normalmente os instrumentos de sopros tem função melódica enquanto o piano e a guitarra, função harmônica. No André Marques Sexteto, na maioria dos arranjos, essas funções são invertidas.

Com esse novo trabalho André já tocou por todo o Brasil e também no exterior.
Destaques para:
- Festival Jazz na Fábrica 2010 – SESC Pompéia – SP
- Circuito de SESCs do interior de SP
- Festival Jazz a la Calle 2014 – Mercedes – Uruguai
- Café Vinilo 2014 – Buenos Aires – Argentina
- Instrumental SESC Brasil – São Paulo – SP - 2014
- Circuito SESC de Santa Catarina – 2014
- Show de abertura da FEMUCIC – Maringá – PR - 2015
- Santos Jazz Festival – 2015
- Virada Cultural de São Paulo – 2015
- Lençóis Jazz Festival – São Luís – MA – 2015
- Turnê Argentina e Chile (8 shows) - 2016
- Festival Jazz a la Calle 2017 – Mercedes – Uruguai
- Festival de Jazz de Tucuman - Argentina

Poucos tiveram interesse em explorar esse assunto, inserido em todos os segmentos de nossa cultura. Com o sexteto, André quer levar ao público, através de sons consequentes da nossa pluralidade cultural herdada, uma música original, que só o Brasil possui.

André Marques Sexteto possui 3 CDs: "Sexteto", "Plural" e agora está lançando "DiverCidades".

 

 MÚSICOS

 

MARCEL BOTTARO – Contrabaixo

 

 

Nascido e residente em Sorocaba, iniciou na música aos 15 anos de idade, estudando contrabaixo elétrico.

Aos 18, ingressou no curso de MPB e jazz do Conservatório Musical de Tatuí. Paralelamente estudou com Claudio Bertrami (integrante e fundador do Grupo “Medusa”, conceituado grupo instrumental dos anos 70, 80).

 Fez parte de diversas formações musicais como: Grupo Cincado, Quinteto Miló (grupo com o qual acompanhou o pianista e compositor Francis Hime), Paulo Flores e Big Band Curare, Vintena Brasileira, Fabio Leal trio, André Marques Quarteto, Ana Malta e Grupo, Bruno Cavalcanti quinteto, João Paulo Ramos Barbosa (JP sax) quarteto, Arlindo Lima e grupo, André Marques Sexteto, Leo Ferrarini Quinteto, Trio Beiral, André Marques Trio e Marcos Moraes Trio.
Acompanhou a cantora Fafá de Belém e o cantor Simoninha no projeto "Trilhando", com o diretor de cinema Carlos Reichenbach. Esse projeto aconteceu no SESC Pompéia, em São Paulo e também teve a presença do pianista Nelson Aires e a direção musical de André Marques.
Participou do projeto “Obra Viva, homenagem a Tom Jobim”, que também teve a direção musical de André Marques. Naquela ocasião esteve ao lado de nomes como Elza Soares, Thalma de Freitas, Max de Castro, Danilo Caymmi e Rosa Passos.
Já tocou ao lado de grandes nomes da música instrumental brasileira como Hermeto Pascoal, Arismar do Espírito Santo e Vinícius Dorin.
Atua como professor desde 2005 e hoje leciona no Projeto Guri (Pólo de Piedade), além de dar oficinas musicais por toda a região de Sorocaba.

Participou da gravação de dois CDs com a "Orquestra Instrumental Vintena Brasileira", do CD "André Marques Quarteto", trabalho que será lançado pelo selo "Unwritten Music", além de diversas participações em gravações com grupos pelo interior de São Paulo.

 

 

 

FULVIO MORAES – Bateria

 



Fulvio Moraes iniciou seus estudos musicais com 11 anos de idade com o prof. Pedro Tortelo  em sua cidade.

Com 15 anos de idade ingressou no conservatório de Tatuí, onde lá estudou com Rui Carvalho e José Carlos Silva .Participou de vários festivais entre eles Festival de inverno em Campos do Jordão com Bob Waitt ,Festival de Itajaí com Claúdio Infanti,festival de inverno de Tatuí com Magno Bissoli.
Baterista da Orquestra Vintena brasileira,  regida por André Marques (Hermeto Pascoal e Trio Curupira) possuem três discos gravados, o segundo com  participação de Hermeto Pascoal.

Integrante do Jazz Combo do Conservatório de Tatuí,coodernado por Paulo Flores.Tocou ao lado de  grandes nomes da  musica instrumental como: Hermeto Pascoal,Hamilton de Holanda, Arismar do Espirito Santo, Fernando Correa,   Léa Freire ,Rodrigo Butter Maio,Paulo Freire,Laércio de Freitas,Toninho Ferraguti,Lupa Santiago,Sizão Machado, Edmundo Vilani Cortes,André Marques,Gabriel Grossi, Rusty Burge(USA),Tiago do Espirito Santo,Aldo Salvent(CUB), entre outros.

 

 

 

GUILHERME FANTI – Guitarra

 

 

Nascido em Sorocaba-SP, teve seu interesse pela música logo cedo por influência do seu avô. Começou seus estudos de violão aos 11 anos e em seguida passou a também a estudar a guitarra.

Em 2001 ingressou no “Conservatório Dramático e Musical” de Tatuí no curso de guitarra MPB/Jazz, se formando em 2005, lá teve contato com grandes músicos e professores, a partir daí, passou a criar uma direção para sua carreira. No mesmo período formou um quinteto de música instrumental, Grupo Cincado, onde pode colocar em prática algumas de suas composições. Com o Grupo, gravou dois discos: “Cincadeando” (2009) e “Novos Rumos” (2014), esse disco através do edital Proac. Com o Cincado participou de vários Festivais, como Metso Cultural, ZF Encontros Musicais (no qual o Grupo se apresentou ao lado de Hamilton de Holanda) e entre outros.

Em 2008, se formou Bacharel em guitarra MPB/Jazz pela Faculdade de Ciência e Instituto Tecnológico, FITO, de Osasco. Onde teve aulas com Fernando Corrêa.

Também em 2008, com o Quinteto Miló, tocou ao lado do grande músico e compositor Francis Hime, no ZF Encontros Musicais, realizado em Sorocaba.

Em 2009, foi finalista no III Festival de Música Instrumental, de Guarulhos, com a música “Vila Amélia”, na época apresentada pelo Grupo Cincado.

De 2003 a 2010, foi guitarrista da Vintena Brasileira, um dos trabalhos do pianista, compositor e arranjador André Marques; com a orquestra gravou os dois primeiros discos: “De Baques as Avessas”(2006) e Labirinto (2011). No período excursionou com o Grupo para várias cidades e participou de vários Festivais.

Em 2009, foi convidado a participar de outro projeto de André Marques, o Sexteto, com quem gravou os dois discos, “Sexteto” (2012) e “Plural”, lançado agora em 2015. Com o Sexteto tocou nos festivais: Jazz na Fábrica (Sesc Pompéia), Jazz a La Calle (Uruguai), Festival de Jazz (Santos). Em 2016 e 2017, excursionou pela Argentina, Uruguai e Chile numa série de shows em Festivais e cassa de jazz.

Em 2015, foi professor de guitarra na Oficina de Música oferecida pelo Sesc Maringá durante o famoso festival FEMUCIC.

Em 2015, fez os arranjos e a direção musical do show Projeto Música Viva convida Danilo Caymmi, no Sesc Sorocaba, show que prestava uma homenagem para a família Caymmi, com arranjos inéditos de suas famosas composições.

Em 2017 lança o seu primeiro disco autoral: Guilherme Fanti Quarteto “Casa Nova”, trabalho que mostra toda vivência musical até então, com influência da música brasileira e do jazz.

Com esses e outros projetos já tocou ao lado de Hermeto Pascoal, Hamilton de Holanda, Raul de Souza, Sizão Machado, Danilo Caymmi, Simoninha, Jairzinho Oliveira e entre outros. 

 

 

 

FABIO OLIVA – Trombone

 

 

Iniciou seus estudos no curso de Trombone na área de Música Erudita no ano de 2000 pelo Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos de Tatuí,
sob orientação do prof. Marcelo de Jesus (BamBam).

Em 2007 ingressou para o curso de Música Popular do Conservatório sob orientação do professor Walter Azevedo(Aza) (Trombone).

Foi aluno de repertório e harmonia com os professores Paulo Braga, Hector Costita, Sérgio Frigério, Fábio Leal e Érica Masson.

Foi integrante da Big Band do Conservatório em 2008 e 2009, onde se apresentou ao lado de Vittor Santos, Vinicius Dorin, Lenny Andrade e Miles Osland. Fez uma
participação com a Banda Savana, sob regência do maestro Branco no I Painel Instrumental em 2010.

Também foi aluno do professor Alan de Lima Palma (Trombone) e integrante do Grupo Jazz/Combo sob coordenação de Paulo Flores, com o qual se apresentou ao lado de Toninho Ferraguti, Rodrigo Botter Maio, Sizão Machado, Laércio de Freitas, Paulo Freire.

 

 

DIEGO GARBIN – Trompete

 

 

Formou-se no  Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos de Tatuí-Sp, no ano de 2007.

Entre suas experiências musicais, já teve oportunidade de tocar ao lado de músicos como Vittor Santos, Jorginho do Trompete, Lenny Andrade, Miles Osland, Altair Martins, Vinicius Dorin, Maestro Branco, Humberto Araujo, Nailor Proveta, Ademir Junior, Marcelo Coelho, Daniel Alcantara, Nelson Faria, Gilson Piranzatta, Mauro Senise, Thiago do Espirito Santo, Marcos Paiva, entre outros.

Como arranjador e compositor, já teve obras executadas pela Big Band do Conservatório de Tatuí, Lexo Jazz Sinfônica Tatuí, e quinteto de metais Cincopa Um, e foi um dos 10 arranjadores selecionados particpar do Concurso Ars Brasilis, em homenagem ao Milton Nascimento.

Participou de duas edições do Savassi Jazz Festival na cidade de Belo Horizonte, no ano de 2009 com a Big Band Savana, sob regência do maestro Branco, e com participação do saxofonista americano Donny McCaslin, e em 2011 com o grupo “Projeto Meretrio”. Em maio de 2011 participou também do ViJazz & Blues na cidade de Viçosa com o “Marcos Paiva Sexteto”.

Em 2012 foi professor de trompete e pratica de Big Band no Festival Painel Instrumental em Tatuí.

Atualmente é integrante da "Big Band do Conservatório de Tatuí", do grupo de salsa "Compadre Candela", do grupo de Samba “Barracão de Zinco”, “Afro Latin Jazz Essemble” e “Noneto de Casa”.

Log in